Em 2018, o Brasil continua mostrando que é um dos países que menos valoriza a educação no Mundo. Prova disso, é o ranking da educação, em que o Brasil ocupa a 60ª posição de 76 países avaliados.

Outros fatores que comprovam o descaso com a educação Brasileira se refletem nos lixos jogados na rua, nas pessoas que insistem em utilizar assentos preferenciais na presença de quem deve ocupá-los por direito, na política em que o voto muitas vezes não é estudado e na descrença dos Direitos humanos, que são taxados como “defensores de bandido”, seja pelo senso comum ou por falta de estudo.

Em meio ao caos educacional e político, o Brasil ainda consegue dar exemplo. Foi o que fez os alunos da Escola Estadual de Educação Profissional Balbina Viana Arrais, na cidade de Brejo Santo, Ceará, que juntaram uma grana para doar ao professor, que não recebe pelo estado há mais de 2 meses.

Bruno Rafael Paiva é professor de artes e foi surpreendido ao entrar na sala de aula. Os alunos pediram para que ele lesse alguns recados espalhados pelas mesas da sala. Enquanto ele caminhava e lia todos os recados, os alunos filmaram as reações do professor, até o momento em que ele abre a caixinha com cerca de R$ 400.

“Neste mês, quando vi que não ia receber depois de um mês e meio de trabalho, vi tudo ficar preto,afundei na depressão, preocupado e perdido, sem saber como ia pagar as contas e ajudar minha família, que está de mudança e com muitas barreiras da vida”, escreveu Bruno em rede social.

E o que disse a Secretaria de Educação sobre o assunto?

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado (Seduc) informou que o salário do professor não estaria atrasado e que “o Governo paga os salários dos servidores rigorosamente em dia”. A Secretaria ainda completou dizendo que “O professor será remunerado em primeiro de junho de 2018, sendo respeitado o prazo estabelecido no ato de contratação temporária”.

Segundo a Secretaria, Bruno foi contratado como profissional temporário para substituir a professora efetiva que está em licença médica.

Salários atrasados, baixa valorização do profissional e má condições de trabalho

O professor Bruno não é o primeiro a sofrer com atrasos de salário. Em Minas Gerais, professores da rede Estadual estão novamente em greve contra o parcelamento e atraso de salários.

Segundo o Executivo estadual, quem ganha até R$ 3 mil vai receber o salário referente a abril em parcela única na próxima sexta-feira (18). Inicialmente o salário seria pago nesta quarta-feira (16), mas foi adiada por causa dos servidores que estariam sob suspeita de acumular cargos ilegalmente, segundo informou a assessoria do estado. (fonte: G1)

Além de contar com atrasos e parcelamentos, os professores ainda enfrentam a baixa valorização. No Brasil, os professores tem que ralar muito para conseguir gerar uma renda “satisfatória”.

O maior problema de tudo são as más condições de trabalho, não diretamente causadas pelos seus mantenedores (Governo, estado e prefeituras), mas sim por destrato aos professores.

Esperamos que ações como a da Escola Estadual em Brejo Santo possam refletir nas discussões para mudanças e melhorias na educação Brasileira.