A plataforma de prototipagem eletrônica – Arduino, não importante exclusivamente apenas para o setor de robótica e automação residencial, mas sim para a Medicina que desenvolve diversos projetos utilizando a placa livre.

Atualmente, o Arduino é muito utilizado para o desenvolvimento de braços e pernas robóticas, utilizando dos mais avançados recursos tecnológicos como por exemplo sensores para ler pulsos elétricos do cérebro, que ajuda a comandar o equipamento através do pensamento.

Fizemos algumas pesquisas e descobrimos que a utilização do equipamento para a Medicina vai muito além de pernas e braços robóticos, mas também de projetos que envolvem o coração, a saúde e o bem-estar das pessoas.

01 – Arduino para deficientes visuais

Uma das grandes dificuldades de pessoas deficientes visuais, é a de se locomover nos grandes centros urbanos. Imagine o quão difícil seja para que um cego se locomova em vias extremamente movimentadas como na cidade de São Paulo? Normalmente eles dependem da ajuda de parentes e pessoas que se dispõe de boas maneiras para ajudar com uma simples ação de atravessar a rua.

Um projeto desenvolvido por Anirudh Sharma pode mudar completamente a forma como deficientes visuais se locomovem no dia-a-dia. O projeto consiste na utilização de Arduino junto ao tênis e funciona como um “guia” para que o usuário chegue ao destino utilizando o Google Maps e serviços de GPS, junto a sensores de vibração, proximidade e transmissão.

Sharma conceitualizou e demonstrou o sistema no MIT (Massachusetts Institute of Technology) Media Lab Design and Innovation Workshop 2011.
O sistema Le Chal consiste de um par de sapatos, um dos quais é equipado com vibradores, sensores de proximidade e um transmissor Bluetooth que está conectado com um celular com Android que calcula direções e localizações em tempo real usando o Google Maps e o GPS embutido no celular com seu módulo de compasso.

Arduino
Imagem: “Le chal” Project / reprodução

O sistema funciona com um simples “Leve-me lá”, que é a tradução para o título do projeto. O usuário com a ajuda de um smartphone poderia dizer “Leve-me até o trabalho” ou “Leve-me até um restaurante apropriado para pessoas com deficiência visual”. O ideal seria a criação de um emulador para a aplicação rodar em um dispositivo simples, que ouça o usuário sem a necessidade do smartphone, a não ser que o smartphone seja totalmente adaptado ao usuário com deficiência visual.

Não foram divulgadas informações sobre o avanço do projeto, e nem o valor do equipamento, mas é algo relativamente interessante para a Medicina.

02 – Eletrocardiograma desenvolvido com Arduino

Eletrocardiograma é um aparelho que exibe um gráfico que registra oscilações elétricas que resultam da atividade do músculo cardíaco.

Felizmente, realizar um eletrocardiograma no momento não é algo muito complicado, e a tecnologia já teve tempo suficiente para ter colocado no mercado equipamentos mais baratos, e, portanto, um ‘eletrocardiógrafo’ tende a ser uma ferramenta muito comum na maioria dos centros de saúde no mundo.

Mas por que falar em valores? Um Eletrocardiógrafo, equipamento responsável para um Eletrocardiograma, custa em média cerca de R$4000 no mercado brasileiro, o que não é nada perto de alguns equipamentos utilizados em hospitais.

Pensando em ‘economia’ e evolução, projetistas de Arduino resolveram criar um Eletrocardiograma utilizando um Osciloscópio e a plataforma de prototipagem eletrônica, o Arduino. O projeto resultou em gastos de US$400, algo em torno de R$1488.

Em uma demonstração do projeto, o canal birdyberth demonstrou em situações adversas de BPM (Batimentos por minuto) que o Arduino apresenta informações na tela sobre a atual situação do usuário, com impressões na tela como por exemplo, “Você está vivo”.

Arduino
Imagem: “Eletrocardiograph” Hiper Textual arquivos

O projeto segundo seus responsáveis é bastante funcional para a leitura de batimentos cardíacos, mas ainda passa por estudos complementares.

03 – Kit Medicinal para Arduino

Se você quer um hospital em sua casa e pagar ‘muito pouco’ por isso, a Cooking-hacks pode ajudar. A empresa desenvolveu e distribui por €450.00 (equivalente a R$1850 na cotação atual) um Kit com diversos equipamentos e sensores para serem utilizados com o Arduino.

Arduino
Imagem: e-Health Sensor Platform V2.0 / Reprodução

O equipamento trás a leitura de Pulsos, Oxigênio do sangue (SPO2), Fluxo de ar (respiração), Temperatura corporal, Eletrocardiograma (ECG), Glucómetro, Leitura galvânica da pele (GSR – Suor), Pressão arterial (sphygmomanometer), Posição do paciente (Acelerômetro) e Sensor de músculo (EMG).

Traduzindo, o equipamento é universal e acompanha até mesmo o eletrocardiograma que citamos durante o artigo.

Você pode adquirir o equipamento clicando aqui e ler mais sobre ele clicando aqui (em inglês).

04 – Open Med Sensor

Sensores médicos conectados à Internet.

Arduino

Conectar um dispositivo com sensores médicos pessoais à Internet permite armazenar medições ao longo do tempo (comparado a uma única medição visualizada no dispositivo e que pode ser perdida depois disso). Um sensor ligado, portanto, é mais valioso do que um dispositivo autônomo. Sensores conectados existem, mas são muitas vezes bastante caros. Por outro lado, módulos Bluetooth habilitados junto ao Smartphone estão prontamente disponíveis e podem atuar como um gateway barato e pronto para a Internet.
Para fazer este dispositivo, é só seguir o tutorial do site Open Data clicando aqui. Ele funciona como Eletrocardiograma, faz leitura de pulsos e várias outras funções.

Com o intuito de não estender muito a matéria, traremos novidades medicinais utilizando Arduino em um próximo artigo, existem muitas novidades que merecem um “Google”. Se você gostou, compartilhe nas redes sociais e aproveite para comentar!
Demonstre uma reação nesta publicação
Curti Amei Haha Uau! Triste Grr!
11
COMPARTILHAR

Técnico em Informática e fundador do TecStudio. Apaixonado por astronomia, ciência, tecnologia, games, séries, cinema, música e arte. Estou no Instagram @phvictorr e em outras redes sociais.

  • Mario Wilson

    Parabéns pelo artigo Felipe, importante para mostrar a amplitude de projetos que podem ser desenvolvidos com arduíno. Eu comprei um kit médico para Arduíno na Cooking Hacs, final do mês ta chegando! Vejo que a portabilidade de alguns projetos, utilizando arduíno, ainda é um desafio, devido ao tamanho, serve como prova de conceito, mas não como produto final. Alguns projetos da área médica demandam microcontroladores com capacidade de processamento maior que as ofertadas pelos cores Atmega, amostragem e processamento de sinais vitais em tempo real. Mas existe um mundo de inovações que podem ser alcançadas com Arduíno para a criação de novos produtos de auxílio clínico, de monitoramento e tratamento médico. Um deles é esse aqui, da bengala smart, que se assemelha muito com o Le Chal, http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2015/07/fisl-16-bengala-eletronica-para-cegos-ganha-campeonato-de-robotica.html

    Vamos ver novos projetos surgirem agregando tecnologias vestíveis e IoT, se os impostos sobre componentes eletrônicos diminuíssem daria uma força grande!

    • Felipe Victor

      Obrigado! Temos diversos artigos sobre este assunto aqui, como esse por exemplo: https://www.tecstudio.com.br/arduino/descubra-robos-incriveis-feitos-com-arduino/ – Estou fazendo o possível para trazer conteúdo sobre estes projetos “escondidos” feitos com Arduino. Realmente, não só impostos, mas o valor do dólar também está implicando muito no valor dos componentes.. Mais uma vez, obrigado por parabenizar o artigo! 🙂