banda larga fixa

As operadoras de telefonia móvel Vivo, Net e Oi anunciaram recentemente medidas contratuais para o Limite de Banda Larga Fixa, que já entrou em vigor para alguns planos de internet fixa das empresas. O Ministério Público Federal quer barrar o novo modelo de cobrança da internet adotado no Brasil, mas enquanto isso não acontece, veja o que você vai deixar de fazer com a nova medida, caso adote algum dos planos com as medidas contratuais estabelecidas em vigor.

Recentemente, publicamos opiniões de insatisfação de alguns clientes com a decisão das operadoras e da ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) em relação a nova forma de cobrança de internet banda larga fixa e agora, devido a repercussão do caso, internautas estão pedindo o fim do novo modelo de cobrança assinando uma petição criada por usuários da Avaaz, que é uma organização responsável por petições na internet para reverter situações injustas.

Clique aqui para assinar a petição contra o limite de banda larga fixa

No desenrolar desta matéria, a petição já contava com cerca de 78.360 assinaturas, tendo como principal objetivo, a marca de 200.000.

Devemos lembrar que, mesmo alcançando o objetivo de assinaturas, ainda existe uma grande ‘batalha’ para conseguir fazer com que as operadoras mudem sua decisão, e que a petição vale apenas para mostrar a indignação dos usuários em relação a medida.

O Ministério Público Federal está do lado dos usuários, movendo uma ação contra a Oi, Net e Vivo para que esclareçam detalhadamente como funcionará os serviços de cobrança.

Além de instaurar o processo, o Ministério Público Federal alegou que serviços como Youtube, NetflixSpotify, que consomem mais dados, “estão amplamente disseminados na cultura atual da internet e torná-los onerosos é retirar um enorme contingente de usuários do livre acesso à rede”, relatou o promotor de Justiça Paulo Roberto Binicheski.

Apesar do esforço em unir pessoas para assinar a petição, todos devemos aguardar para que às operadoras sejam ou não proibidas de cometer tal injúria com os serviços de internet no Brasil. Todos nós, usuários de internet banda larga fixa, de um modo ou de outro, acessamos serviços de streaming, nuvem e muitos outros e é visivelmente INJUSTO o novo modelo de cobrança, é a verdadeira prisão do usuário em seu único mundo ‘livre’, a internet.

1