eua emp
NASA image acquired April 18 - October 23, 2012 This image of the United States of America at night is a composite assembled from data acquired by the Suomi NPP satellite in April and October 2012. The image was made possible by the new satellite’s “day-night band” of the Visible Infrared Imaging Radiometer Suite (VIIRS), which detects light in a range of wavelengths from green to near-infrared and uses filtering techniques to observe dim signals such as city lights, gas flares, auroras, wildfires, and reflected moonlight. “Nighttime light is the most interesting data that I’ve had a chance to work with,” says Chris Elvidge, who leads the Earth Observation Group at NOAA’s National Geophysical Data Center. “I’m always amazed at what city light images show us about human activity.” His research group has been approached by scientists seeking to model the distribution of carbon dioxide emissions from fossil fuels and to monitor the activity of commercial fishing fleets. Biologists have examined how urban growth has fragmented animal habitat. Elvidge even learned once of a study of dictatorships in various parts of the world and how nighttime lights had a tendency to expand in the dictator’s hometown or province. Named for satellite meteorology pioneer Verner Suomi, NPP flies over any given point on Earth's surface twice each day at roughly 1:30 a.m. and p.m. The polar-orbiting satellite flies 824 kilometers (512 miles) above the surface, sending its data once per orbit to a ground station in Svalbard, Norway, and continuously to local direct broadcast users distributed around the world. Suomi NPP is managed by NASA with operational support from NOAA and its Joint Polar Satellite System, which manages the satellite's ground system. NASA Earth Observatory image by Robert Simmon, using Suomi NPP VIIRS data provided courtesy of Chris Elvidge (NOAA National Geophysical Data Center). Suomi NPP is the result of a partnership between NASA, NOAA, and t

Calamidade EMP

Em uma declaração , especialistas recomendaram ao Congresso que o exército dos EUA fortaleça suas defesas de mísseis balísticos – incluindo a implantação de defesas espaciais – com o objetivo específico de proteger os EUA contra potenciais ataques de pulsos eletromagnéticos (EMP). Eles também recomendaram o desenvolvimento e a implantação de armas nucleares EMP aprimoradas e outros meios para impedir ataques contra os Estados Unidos pela Coréia do Norte.

Um ataque EMP tem o potencial de “desligar a rede de energia elétrica dos EUA por um período indefinido”, de acordo com a avaliação enviada na audiência da Comissão de Segurança Interna dos Estados Unidos, “Ameaça vazia ou perigo grave: avaliação do risco da Coréia do Norte para a pátria “. William Graham e Peter Vincent Pry – Presidente e Chefe de gabinete, respectivamente, para que a Comissão avalie a ameaça aos Estados Unidos da EMP Attack – forneceu a afirmação sóbria.

emp especialistas pedem que os militares dos eua "desenvolvam e implementem armas nucleares emp melhoradas"
Crédito de Imagem: WikiImages / Pixabay

Uma comissão para esse tipo de ataque foi criada em 2001 para assessorar o Congresso, o Departamento de Defesa (DoD), o Presidente e outras agências sobre quaisquer ameaças nucleares EMP. Foi restabelecido com uma carta mais ampla em 2015, de modo que seu foco incluirá todas as ameaças de Ataques com impulsos eletromagnéticos feitas pelo homem, incluindo ataques cibernéticos, sabotagem e o que eles chamam de “Combater-Armas Cyber ​​Warfare”. No entanto, seu financiamento foi recentemente encerrado, conforme relatado por Newsmax , no mesmo mês em que a Coréia do Norte detonou uma arma “Super-EMP” .

As Recomendações Detalhadas

O relatório apontou que, há seis meses, as capacidades nucleares da Coréia do Norte acreditavam ser primitivas, mas os EUA agora se aproximam de que o país tem  60 armas nucleares  e pode chegar aos Estados Unidos com essas armas. A Comissão EMP instou o Congresso a reconhecer a ameaça grave que as armas da EMP representam, o que pode ser devastador mesmo quando usado com armas nucleares “primitivas e de baixo rendimento”.

Além disso, embora grande parte do foco sobre a Coréia do Norte se tenha centrado na sua capacidade de chegar a uma cidade com um míssil, a Comissão EMP argumentou que a ameaça de um ataque EMP foi ignorada principalmente:

O ataque EMP não requer um sistema de orientação preciso porque a área de efeito, com um raio de centenas ou milhares de quilômetros, é tão grande … A Coréia do Norte poderia fazer um ataque EMP contra os Estados Unidos, lançando um míssil de curto alcance de um cargueiro ou submarino ou fazendo uma ogiva a 30 km de estourar a altura por balão … mesmo uma ogiva lobo balão detonada a 30 quilômetros de altitude poderia escurecer a rede eléctrica elétrica oriental que sustenta a maior parte da população e gera 75% da eletricidade norte-americana.

Suas recomendações de linha de fundo?

Recomendamos o desenvolvimento e implantação de armas nucleares EMP aprimoradas e outros meios para impedir o ataque adverso nos Estados Unidos. As armas nucleares Enhanced-EMP, chamadas pelas armas dos Super-EMP russos, podem ser desenvolvidas sem testes nucleares … Recomendamos o fortalecimento das defesas de mísseis balísticos dos EUA – incluindo a implantação de defesas espaciais consideradas pela Iniciativa de Defesa Estratégica – e que elas sejam projetadas e Posteriormente, protegeu os EUA do ataque EMP.

Em uma nação totalmente dependente de ser on-line e ter poder, uma única ogiva nuclear detonada acima de nós – mesmo sem muita precisão – poderia ter consequências apocalípticas, criando, como Peter Kelly-Detwiler colocou em Forbes , “uma crise existencial como nada, o mundo nunca foi testemunhado. “O desafio para os EUA – e cada município desenvolvido – será tomar as respostas preventivas necessárias, evitando ao mesmo tempo a escalada involuntária dessa situação precária.