Os grilos na nossa alimentação

O ex-CEO da Cisco, o John Chambers, disse em uma conferência que ocorreu no início dessa semana, a Techonomy 17, que dentro de 20 ou até mesmo 15 anos a nossa principal fonte de proteínas serão os insetos, ou mais precisamente os grilos.

Ele passou a descrever os insetos como “a forma mais limpa que você pode produzir pelo menos o desafio para o meio ambiente”.

O desafio de colocar na mesa do ser humano os insetos enquanto alimento será um tanto difícil, visto que as pessoas, a princípio, sentirão um certo receio em comer insetos. A prática de se alimentar com a ajuda de insetos já não é nem um tabu em países asiáticos, como a China, Japão e Mianmar.

É preciso revolucionar a questão da produção de novos meios de alimentação humana por conta do fato de se estar cada vez mais caro produzir as mesmas coisas que consumimos diariamente, com é o caso da carne vermelha.

Comida futura

Não é segredo que a criação de gado é um enorme fardo para o meio ambiente. Além da grande quantidade de recursos necessários para criar animais para alimentação, há evidências, e o que é mais do que fato, de que os resíduos agrícolas são um dos principais contribuintes para a poluição do ar e da água.

A solução parece clara: precisamos encontrar uma alternativa à carne que estamos comendo no presente. Os insetos não levantam os mesmos problemas que as vacas e os porcos fazem, mas pode não ser fácil levar as pessoas a bordo com a ideia quando não estão acostumados a comê-las. Outros esforços estão sendo feitos para produzir alimentos que tenham aparência externa de produtos tradicionais de carne, mas na realidade é algo bem diferente.

Uma startup chamada Memphis Meats tem como objetivo tornar a carne cultivada em laboratório uma realidade. A empresa já recebeu investimentos de nomes de alto perfil no setor de tecnologia como Sir Richard Branson e Bill Gates.

Eles não são os únicos, porém: a China assinou recentemente um acordo comercial no valor de US $ 300 milhões que ajuda três empresas israelenses a produzir carne cultivada em laboratório para exportação. O Hampton Creek, com sede nos Estados Unidos, espera ter sua carne sintética nas prateleiras das lojas logo no próximo ano.

A carne tradicional ainda não está em qualquer lugar. No entanto, você pode esperar para ver muitas alternativas surgirem no futuro próximo; se eles são cultivados em laboratório, baseados em insetos – ou qualquer outra coisa inteiramente.