Médicos em miniatura

O engenheiro chefe do Google e o notável futurista Ray Kurzweil disseram que nanobots ou microbots  estarão em atividade através de nossos corpos até 2030. Embora a tecnologia possa mudar, as perspectivas para esses nanobots ainda estão limitadas por desafios na alimentação dos microdispositivos e pela orientação do corpo.

Uma equipe de pesquisadores liderada por Li Zhang, cientista de materiais da Universidade Chinesa de Hong Kong, em Shatin, pode ter encontrado uma solução para ambos os problemas. Em um estudo publicado na revista Science Robotics, Zhang e seus colegas voltaram-se para um tipo de alga em miniatura chamada Spirulina platensis, comumente usada como suplemento dietético.

Este é o revestimento da espirulina com nanopartículas de óxido de ferro. A forma helicoidal ou parecida com a mola da alga magnetizada proporciona máxima mobilidade quando impulsionada por campos magnéticos que atravessam inofensivamente o corpo humano. E o melhor de tudo, esses microbots sintéticos são completamente biocompatíveis. Eles degradam-se em dias ou horas, dependendo da quantidade de revestimento magnético que eles possuem, sem prejudicar as células – exceto as células cancerígenas. A alga magnetizada destruiu cerca de 90% das células tumorais expostas a ela durante 48 horas em um prato de laboratório, um efeito colateral inesperado descoberto pelos pesquisadores.

Microbots – O futuro dos tratamentos

As tecnologias em miniatura, como esses microbots de algas sintéticas, mostram potencial para a distribuição de tratamentos médicos em todos os cantos do corpo humano. Os microbots também poderiam fornecer um tratamento mais eficiente; eles podem ser facilmente controlados e monitorados observando sua fluorescência ou através de uma ferramenta de imagem médica chamada ressonância magnética nuclear (RMN) quando as algas viajam mais profundamente em nosso corpo.

A capacidade dos microbots para transportar cargas como drogas dentro do corpo ainda precisa ser testada, no entanto. “Ainda não está pronto para um médico usar”, Joseph Wang, um nanoengineiro que está desenvolvendo um tipo diferente de microbots médicos, disse Ele acha que a tecnologia pode estar disponível nos próximos dez anos, um cronograma que quase se alinha com a previsão de Kurzweil.

A nanotecnologia apresenta melhores chances de tratar doenças no futuro, embora tenhamos que planejar mais detalhes do que apenas mobilidade e controle. No entanto, a tecnologia é um dos muitos avanços na pesquisa médica – juntamente com desenvolvimentos no uso de ferramentas de edição de genes,  células-tronco, órgãos impressos em 3D e próteses aprimoradas  – vale a pena ficar atento.