Mulheres
Imagem: Reprodução Themix

O compartilhamento de fotos íntimas em sites e aplicativos para smartphones sem consentimento é um problema que vitima, principalmente, as mulheres no Brasil. De acordo com o último levantamento da ONG SaferNet, organização de defesa dos direitos humanos na internet, dos 301 casos desse tipo de crime registrados em 2016, quase 70% das vítimas eram mulheres.

Ainda segundo a SaferNet, os casos de cyberbullying, intimidação e/ou discriminação pela internet, também tiveram o público feminino como principal alvo, com 65% do total das 321 denúncias oficiais em 2016.

A PSafe, especialista em segurança digital, reuniu orientações para prevenir riscos no ambiente online e, caso o vazamento ocorra, como agir. Veja abaixo:

Cuidado com o armazenamento e compartilhamento de informações

Fotos e vídeos estão constantemente na mira de pessoas mal-intencionadas. Portanto, para não ter sua privacidade exposta no mundo digital, é recomendável evitar o compartilhamento de dados pessoais e o armazenamento de fotos íntimas em sites não seguros.

Reforce sua segurança

Mulheres
Imagem: Reprodução Themix

Criar senhas seguras e diferentes para cada site e aplicativo é uma importante medida para impedir que arquivos íntimos caiam em mãos erradas. Evite utilizar senhas óbvias como datas de aniversários, CPF, telefone ou outro dado que possa ser facilmente obtido. Além disso, você pode redobrar sua segurança com uma senha extra. O PSafe Total, aplicativo gratuito disponível na Google Play, por exemplo, disponibiliza a função Cofre que é capaz de proteger sua galeria de fotos e aplicativos.

Tive fotos íntimas vazadas. E agora?

  1. Registre um Boletim de Ocorrência (B.O.)

O compartilhamento de materiais com teor íntimo ou sexual sem consentimento é crime. Reúna tudo o que foi divulgado e vá até uma delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência, relatando o que houve. Você também pode preservar as provas registrando uma Ata Notarial em qualquer Cartório de Notas (ou Tabelionato de Notas). O documento lavrado tem plena validade jurídica, ou seja, ninguém poderá contestá-lo em um futuro processo judicial.

  1. Procure um advogado

Com as provas, o B.O. e a Ata Notarial (que não é obrigatória) em mãos, fale com um advogado – de preferência, especializado na área de Direito Digital.

  1. Fale abertamente sobre o assunto

Vergonha ou medo só reforçam a impunidade. Por isso, garanta os seus direitos e não se cale. Lembre-se: a culpa nunca é da vítima! Além disso, procure apoio de amigos e familiares.

Demonstre uma reação nesta publicação
Curti Amei Haha Uau! Triste Grr!
VIAPSafe - Assessoria de Imprensa
COMPARTILHAR
Técnico em Informática e fundador do TecStudio. Apaixonado por astronomia, ciência, tecnologia, games, séries, cinema, música e arte. Estou no Instagram @phvictorr e em outras redes sociais.