hidrelétricas

Hidrelétricas fora do normal

As hidrelétricas contribuem com mais aquecimento global do que o estimado anteriormente, de acordo com um estudo publicado em BioScience.

Parece que o boom atual e planejado de projetos hidrelétricos dobraria a cobertura atual de barragens no mundo e agravará o problema.

Os pesquisadores descobriram que a vegetação podre na água significa que as barragens emitem cerca de um bilhão de toneladas de gases de efeito estufa a cada ano. Isso representa 1,3% das emissões antropogênicas anuais globais (causadas por humanos).

Quando considerados ao longo de uma escala de tempo de 100 anos, as barragens produzem mais metano do que plantações de arroz e biomassa, o estudo mostrou.

“Nós estimamos que as barragens emitem cerca de 25% mais de metano por unidade de superfície do que o estimado anteriormente”, disse Bridget Deemer, da Escola de Meio Ambiente da Universidade Estadual de Washington, em Vancouver, e principal autor do estudo.

“O metano permanece na atmosfera por apenas cerca de uma década, enquanto o CO2 permanece vários séculos, mas, ao longo de 20 anos, o metano contribui quase três vezes mais para o aquecimento global do que o CO2, um período relevante para os formuladores de políticas”, acrescentou.

O metano é produzido no fundo dos reservatórios, onde o oxigênio é baixo e as bactérias decompor o material orgânico, como árvores e gramíneas, que já está presente ou transportado pelo curso de água. Parte do metano torna-se CO2; o resto é levado à superfície como bolhas.

Analisando mais de 250 barragens e incluindo emissões à base de bolhas, os pesquisadores descobriram que as barragens também emitem mais metano do que lagos e zonas húmidas.

Emily Stanley, professora em linguologia e ciências marinhas na Universidade de Wisconsin-Madison, disse que o estudo é “muito relevante”, pois oferece a melhor informação disponível sobre emissões de gases de efeito estufa de barragens. Isso mostra que as altas emissões de metano não estão ligadas à localização ou antiguidade dos reservatórios, como sugerem outros pesquisadores, mas à quantidade de material orgânico.

De acordo com o estudo, as algas que proliferam em represas a jusante podem receber mais nutrientes, como nitrogênio ou fosfato, e, portanto, produzir mais metano.

Deemer está entusiasmado com as possibilidades que esta pesquisa apresenta para projetar, situar e operar barragens que emitem menos gases.

Os pesquisadores sugeriram que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas considere essas emissões de metano em futuros orçamentos.

Este artigo apareceu originalmente naSciDev.Net

Demonstre uma reação nesta publicação
Curti Amei Haha Uau! Triste Grr!