Os membros do Parlamento Europeu perguntaram a Mark Zuckerberg ontem (22) se o Facebook era um monopólio que potencialmente precisava ser quebrado, repetindo as preocupações expressadas nos Estados Unidos. Em uma conferência com Zuckerberg, o deputado alemão Manfred Weber perguntou se o CEO do Facebook poderia nomear uma única alternativa europeia ao seu “império”, que inclui aplicativos como WhatsApp e Instagram, além do Facebook. “Acho que é hora de discutir a quebra do monopólio do Facebook, porque já é muito poder em apenas uma mão”, disse Weber. “Então, peço-lhe simplesmente, e essa é a minha última pergunta: você pode me convencer a não fazer isso?”

A questão foi mais tarde apanhada pelo eurodeputado belga Guy Verhofstadt. “Você não pode convencê-lo, porque é um absurdo, na verdade”, disse Verhofstadt. “Você deu o exemplo do Twitter, você deu o exemplo, eu acho, do Google como alguns de seus concorrentes. Mas é como se alguém que detém o monopólio na fabricação de carros estivesse dizendo: ‘Olha, eu tenho o monopólio de fazer carros, mas não há problema. Você pode pegar um avião, pegar um trem, pode até mesmo levar sua bicicleta!'” Ele perguntou se o Facebook iria cooperar com as autoridades antimonopólio europeias para determinar se a empresa era realmente um monopólio, e se fosse, se o Facebook aceitaria separar o WhatsApp ou o Messenger para solucionar o problema.

O formato do painel deixou Zuckerberg responder seletivamente às perguntas no final da sessão, e ele não abordou os pontos de Verhofstadt. Em vez disso, ele descreveu amplamente como o Facebook vê a “concorrência” em vários espaços. “Nós existimos em um espaço muito competitivo, onde as pessoas usam muitas ferramentas diferentes para a comunicação”, disse Zuckerberg. “De onde eu sento, parece que há novos concorrentes surgindo todos os dias” no espaço de mensagens e redes sociais. Ele também disse que o Facebook não detinha o monopólio da publicidade porque controlava apenas 6% do mercado global de publicidade. (Vale a pena notar: isso ainda é um número enorme) E ele argumentou que o Facebook promoveu a concorrência ao tornar mais fácil para as pequenas empresas atingirem públicos maiores – o que não é, basicamente, relacionado à questão de saber se o próprio Facebook é um monopólio.

Como notou Weber, as questões antimonopólio surgiram nas audiências anteriores do Congresso americano de Zuckerberg. Uma coalizão de ativistas também acaba de lançar uma campanha “Liberte-se do Facebook” que induz a Comissão Federal de Comércio dos EUA a dividir o Facebook, o WhatsApp, o Instagram e o Facebook Messenger. Então, enquanto muitas pessoas deixaram a reunião de hoje com suas perguntas sem resposta, a questão do monopólio não está desaparecendo.