Robôs entre nós

O aumento da automação está suscitando todo tipo de perguntas sobre o futuro do trabalho para funcionários humanos, mas também há uma outra consideração importante em mãos – como podemos interagir com os robôs à medida que se tornam mais comuns nas nossas vidas do dia-a-dia?

À medida que os robôs se tornam mais capazes de realizar tarefas de forma independente, é crucial que eles aprendam a se comunicar com os humanos com os quais se cruzam, seja colegas de trabalho ou estranhos completos. A linguagem natural desempenhará um papel importante, mas é apenas uma parte de um todo maior.

Mais do que palavras

Quando os seres humanos falam um com o outro, o que é dito apenas compreende uma pequena quantidade de informações que estão sendo transmitidas. Tudo, desde expressões faciais até a entonação da voz de uma pessoa, pode dar um contexto extra ou uma visão adicional sobre o assunto em questão.

Isso é algo que os cientistas e engenheiros que construem os robôs do amanhã têm o cuidado de considerar. Um vocabulário completo não é necessariamente suficiente – há mais para transmitir uma mensagem do que apenas encontrar as palavras certas.

Um projeto conhecido como Baxter sendo desenvolvido pela Rethink Robotics usa um par de olhos em uma tela para que as pessoas saibam o que o robô vai fazer em seguida. A exibição está em um giro, o que significa que pode dirigir sua atenção para um de seus dois braços antes de executar uma ação, certificando-se de que qualquer espectador esteja bem ciente de que tipo de movimento está chegando.

Esta é uma rua de dois sentidos. Além de poder sinalizar suas intenções para os espectadores humanos, os robôs precisarão apanhar as pistas sociais deixadas pelos outros para serem efetivas em seus papéis.

Todos nós fomos trancados em uma “dança do corredor” ao tentar dar lugar a outro humano andando na direção oposta por um corredor. Nove vezes em dez, não é grande coisa – mas em uma enfermaria ocupada, quando um sócio de dança é um robô volumoso, isso pode causar alguns problemas.

Uma equipe do Grupo de Robótica Interativa do MIT liderada pelo Dr. Julie Shah usou técnicas de aprendizado de máquina para ensinar um robô a observar indicadores antecipados de um ser humano que pode revelar a maneira que eles estão planejando virar. Nós sabemos como pegar essas dicas da experiência, mas as máquinas precisam ser ensinadas noções básicas a partir do zero.

Serviço ao cliente

No presente, tendemos a pensar que os robôs são bons no trabalho manual. Eles podem ser construídos fortes, então faz sentido pensar em levantar cargas pesadas e fazer outras tarefas fisicamente intensivas.

Novos avanços para ajudar os robôs a interagir com os seres humanos permitirão que eles assumam uma gama muito maior de vocações. As posições de atendimento ao cliente, especialmente aquelas em que há uma gama limitada de responsabilidades, serão perfeitas para as máquinas, uma vez que eles possam manter uma conversa natural e produtiva de forma confiável.

Um robô chamado Mario já foi testado como um concierge na Bélgica, distribuindo as chaves do quarto e ingratiando-se com os hóspedes através de um high-five. Um projeto chamado RAVE está criando um robô que pode ensinar crianças pequenas sem entrada humana, mantendo a atenção por seis minutos por vez.

Os robôs são excelentes em certas tarefas devido às suas qualidades não-humanas – eles não se cansam, e eles não vão virar o nariz para tarefas desagradáveis ou insatisfatórias.

No entanto, à medida que assumem um conjunto mais diversificado de papéis, eles precisarão aprender algumas habilidades especificamente humanas. Ser capaz de se comunicar com pessoas é uma parte fundamental de todos os tipos de vocações, e não vem naturalmente para um robô.