O Snapchat é um aplicativo, uma rede social, em que as pessoas que possuem um perfil, ou uma conta, fazem publicações de pequenos vídeos em suas timelines. É como se fossem os chamados “drops” da vida cotidiana.

O aplicativo foi lançado em 2012, criado e desenvolvido por Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Browne, e logo nos primeiros meses após o seu lançamento oficial, seus donos já se encontravas cheios da grana.

Com o passar do tempo, o app foi ganhando popularidade entre os famosos da mídia, ficando assim como um dos aplicativos mais utilizados no mundo, ao lado do então soberano Facebook, Twitter e o WhatsApp.

O aplicativo, cheio de diferenciais, como o “Minhas histórias“, teve, por conta disso, uma usabilidade maior desse app por conta de tal recurso que os usuários de outros apps estavam migrando para o Snapchat de modo que não houvesse tanta utilização desses mesmos usuários em outros aplicativos como o próprio Facebook.

Facebook se mexendo

Desde a sua criação, a empresa mostrou ser bem competitiva e disposta a fazer qualquer tipo de coisa para se manter no topo das melhores. Com o seu crescimento desde o ano de 2004, quando foi oficialmente lançado, o Facebook vem buscando artimanhas para conseguir o que quer – mesmo que isso custe milhões ou até bilhões de dólares.

A maior rede social do mundo comprou primeiro o Instagram, que é um app para postar fotografias, por conta da sua grande popularidade entre as pessoas.

Um tempo depois, com o estouro que foi o lançamento do WhatsApp, o Facebook logo lançou mão e o comprou por um preço bem alto.

Desde essas dois grandes investimentos, a empresa vem buscando novos meios de se manter no topo. Ao perceber a popularidade da função “Minhas histórias” no aplicativo Snapchat, o Facebook logo “imitou” a mesma função em redes sociais de sua propriedade como o Instagram, com o nome “Stories”, no WhatsApp, como “Meus Status” e não deixou de adicionar a mesma função no próprio aplicativo do Facebook.

Tudo isso pela decadência do Snapchat.

Mas porque o Facebook não compra o Snapchat?

Essa pergunta é até boa, mas não pode ser respondida de qualquer maneira.

O Facebook está, ou esteve, fazendo esse tipo de articulação descrita acima para tentar fazer com que o Snapchat fique cada vez mais despopularizado entre os usuários de redes sociais. É como se ele quisesse que as pessoas não tivessem mais porquê usar esse aplicativo em vez do Instagram, do Facebook e até mesmo o WhatsApp.

O CEO do Snapchat, Evan Spiegel, em várias entrevistas feitas a grandes veículos de comunicação, disse que jamais irá entrar em acordo de venda das ações da empresa ao Facebook.

‘Efeito Facebook’ dando efeito

Em algumas postagens aqui no nosso site, podemos destacar que os movimentos de repulsa do Facebook contra a popularidade da Snapchat vêm dando efeito e isso pode ser percebido a cada novo relatório. Fato esse pode ser comprovado por dois fatores. No primeiro, podemos destacar o fato de o aplicativo estar caindo em relação ao número de downloads feitos em lojas como a App Store e a Google Play Store.

No segundo, o Snapchat teve menos utilização do recurso “Minhas histórias” em relação ao WhatsApp. De acordo com informações do próprio Facebook, o “WhatsApp Stories” tem o dobro de usuários diários do que o Snapchat.

Seria o começo do fim para o Snapchat?

Com todo esse movimento de decadência vivido pelo app, chega até ser um pouco provável tomar a conclusão de que o Snapchat pode estar em decadência sim. Podemos até destacar também que o app poderá ser vendido a quem ele tanto se nega: ao Facebook.

Mas, assim como a Nokia resurgiu das cinzas, o Snapchat pode dar uma volta por cima, visto que eu os números não estão severamente contra ele.

É só uma questão de organização das ideias.