O próximo presidente eleito do Estados Unidos, Donald Trump, convidou recentemente para um diálogo tecnológico, os principais nomes das maiores empresas de Tecnologia do mundo.

Estavam na conversa Larry Page, CEO da Alphabet (Google), Satya Nadella, CEO da Microsoft, Sheryl Sandberg, representante do Facebook, Jeff Bezos, CEO da Amazon, Safra Catz, CEO da Oracle e Elon Musk, CEO da Tesla, além de Tim Cook, CEO da Apple.

Na reunião, que supostamente se concentrou em temas como criação de emprego e crescimento econômico, funcionários da Apple perguntaram se era importante para Cook se encontrar com Trump, cujas posições sobre questões como criptografia e reforma imigratória foram confrontadas, gerando uma polêmica entre o futuro presidente e a indústria tecnológica americana.

Para resolver essas questões, Cook emitiu um comentário interno aos funcionários, em que afirmou: “Os governos podem afetar nossa capacidade de fazer o que fazemos”, e observou que a única maneira de progredir em questões-chave é “engajar”.

Veja a “carta” na íntegra;

Quão importante é para a Apple se envolver com os governos?

Resposta de Tim Cook: Isso é muito importante. Os governos podem afetar nossa capacidade de fazer o que fazemos. Eles podem afetá-la de forma positiva e eles podem afetar negativamente. O que fazemos é focar nas políticas. Algumas de nossas principais áreas de foco são a privacidade, segurança e a educação. Eles estão defendendo os direitos humanos para todos e expandindo a definição dos direitos humanos. Eles estão no meio ambiente e realmente combatem as mudanças climáticas, algo que fazemos ao gerir nossos negócios com 100% de energia renovável.

E, claro, a criação de empregos é uma parte fundamental do que fazemos, dando oportunidades às pessoas, não só com pessoas que trabalham diretamente para a Apple, mas também o grande número de pessoas que estão em nosso ecossistema. Estamos muito orgulhosos por termos criado 2 milhões de empregos, apenas neste país. Uma grande porcentagem são desenvolvedores de aplicativos. Isso dá a todos o poder de vender seu trabalho para o mundo, que é uma invenção inacreditável em si mesmo.

Temos outras coisas mais centradas nos negócios – como a reforma tributária – e algo que há muito defendemos: um sistema simples. E gostaríamos que a reforma da propriedade intelectual tentasse impedir que as pessoas processassem quando não fazem nada como empresa.

Há um grande número dessas questões, e a maneira que você avançá-los é se envolver. Pessoalmente, eu nunca imaginei estar em um lugar tão bem sucedido. A maneira que você influencia essas questões é estar em jogo. Então, se é neste país, ou a União Europeia, ou na China ou América do Sul, que nos envolvemos. E nós nos envolvemos quando concordamos e nos envolvemos quando discordamos. Eu acho que é muito importante fazer isso porque você não muda as coisas apenas gritando. Você muda as coisas mostrando a todos por que seu caminho é o melhor. De muitas maneiras, é um debate de idéias.

Estamos de pé para o que acreditamos. Pensamos que é uma parte fundamental para a Apple. E nós continuaremos a fazê-lo.

Ainda segundo informações, Tim Cook teria permanecido com Trump após o término da reunião para tratar sobre mais detalhes.

É importante frisar que, mesmo com o “efeito Trump”, causado no medo e na descrença do futuro presidente do Estados Unidos, ver representantes das gigantes da Tecnologia em discussão sobre a geração de empregos, medidas fiscais e de energia para o futuro do Estados Unidos e de outros países do mundo, é muito importante para uma gestão em diálogo.