A operadora VIVO aparentemente não aprendeu à ouvir consideravelmente seus consumidores, mesmo após manifestações públicas que mostrem insatisfação com a empresa através de redes sociais e em petições.

O CEO da Vivo, Amos Genish afirmou na tarde desta quinta-feira (28) que não vai recuar em relação ao Limite de Banda Larga fixa. Além da afirmação, o CEO da Vivo ainda reiterou elogios em relação à posição da Anatel em tomar frente sobre o Limite de internet. O comunicado foi feito através do anúncio de lucros da VIVO no último trimestre, o que mostra um aumento de 179% de lucratividade da empresa Telefônica, na qual é dona da operadora VIVO, o que de fato comprova que operadoras de telefonia como a VIVO, não passarão fome se abrir mão dos planos de internet limitada, pelo contrário, só mostra que esses lucros serão muito maiores.

Amos Genish voltou a dizer que o limite de banda larga fixa não fere o Marco Civil da Internet e nem o Código de Defesa do consumidor, contrariando às palavras da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que é nada mais, nada menos que a entidade máxima de representação dos advogados brasileiros e responsável pela regulamentação da advocacia em território nacional. A OAB obrigatoriamente conhece de ponta-a-ponta todas às regras e regulamentações deste país.

VIVO, Anatel e seus interesses pessoais: Consumidor não é ouvido

Um dos motivos pela qual o Ministério Público Federal anunciou ontem que está abrindo inquérito para investigar a Anatel em relação a posição precoce sobre o limite de banda larga fixa e sem estudos que realmente comprovem benefícios ao consumidor, se conta por um possível Cartel formado por operadoras de Telefonia e a Agência Nacional de Telecomunicações. É estranho situar posições relativas de operadoras que são ‘concorrentes’ em cenário nacional, junto ao órgão criado para defender os interesses dos consumidores.

O mais estranho de tudo isso é que, mesmo após o Governo Federal, o Ministério das Comunicações, a OAB, o PROTESTE o PROCON, vários Senadores e Deputados se mostrarem contra a medida, a Anatel e operadoras ainda insistem em optar por esse novo modelo de cobrança de internet fixa. O mais absurdo é que em toda a internet e até mesmo nas ruas, encontramos pessoas indignadas e preocupadas em relação a medida e querem a internet livre, mas a Anatel apenas proibiu que operadoras apliquem o novo modelo de cobrança de forma provisória.

Vivo vivo elogia anatel em relação a postura sobre limite de internet

Essas empresas estão visando Lucro, mas esquecem de uma coisa; O lucro vem de consumidores, e se eles não gostarem dos serviços oferecidos, eles são livres para o cancelamento do mesmo. O cancelamento e a falta de assinantes gera prejuízo. Pior: Operadoras estão apagando sua imagem de reputação e se tornando empresas insuportáveis, como é o exemplo da última campanha publicitária da VIVO publicada no Youtube recentemente; o vídeo sofreu diversos comentários contra às políticas da operadora: “OPERADORA LIXO” – dizia alguns dos comentários; além disso, o vídeo ganhou mais do que 285.000 “não gostei”, se tornando um dos vídeos mais negativados do Youtube no Brasil se levado em consideração os pesos de “Gostei” e “Não Gostei”. O número de pessoas avaliando o vídeo positivamente é de aproximadamente 9.500, valor bastante inferior ao de negativos.

Apesar de todos impactos causados por parte de consumidores enfurecidos, operadoras e Anatel ainda demonstram resistência e por isso, devemos continuar lutando por nossos direitos. A internet é livre e ela não deve ser Limitada.