É possível um fogo continuar vivo e queimando por muito tempo? É possível sim. Exemplo é uma cratera localizada no Turcomenistão, que desafia a expectativa humana. Chamada de Cratera de Darvaz ou porta para o inferno, desde 1971 sua chama vem queimando continuamente.

O local foi identificado por engenheiros da então União Soviética que estavam em busca de petróleo. Após acamparem em uma região com clima desértico, foi descoberta uma caverna subterrânea muito profunda e com grande quantidade de gás tóxico.

Eles resolveram iniciar a escavação, mas erraram no cálculo da perfuração e o chão cedeu, sendo aberta uma cratera que engoliu alguns equipamentos que eles utilizavam. Grandes quantidades de gás metano foram liberados na atmosfera.

Como o gás metano é prejudicial tanto para a saúde quanto para o meio ambiente, os cientistas se preocuparam com o restante dos habitantes que moravam próximo do local, pois alguns morreram.

A solução foi então a queima do gás.
Em termos ambientais, quando as circunstâncias não possibilitam a extração para o uso, a decisão mais coerente é a queima. O gás metano não possui cor nem cheiro, mas misturado ao ar torna-se altamente explosivo e nocivo. Ele participa da formação do efeito estufa colaborando para o aquecimento global.

A estimativa era que o gás queimasse apenas por uns dias, mas até hoje continua queimando. E não há previsão de quando as chamas se apagarão.

Já se passaram quatro décadas e o fogo continua vivo e sendo objeto de muita curiosidade e de espetáculo para os visitantes.

Veja também: Em fase de testes o WhatsApp apresenta futuras ferramentas

 

Demonstre uma reação nesta publicação
Curti Amei Haha Uau! Triste Grr!
COMPARTILHAR
Sou estudante de Jornalismo e estou descobrindo e me encantando cada vez mais pela profissão. Quero contribuir de alguma forma na vida das pessoas com o meu conhecimento e obter bons frutos de toda semente plantada. Vamos mudar o mundo!