Com o propósito de evitar excessos nas bagagens de mão, fiscais começarão, a partir do dia 10 de abril, a fiscalizar bagagens antes do acesso à aeronave. Para tal, a ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) comandará as ações que serão de responsabilidade de empresas terceirizadas.

Essas fiscalizações terão foco nas bagagens que excederem os limites de peso de dimensões propostos pelas companhias aéreas. Atualmente já é feito uma fiscalização quando malas aparentam ultrapassar as restrições exigidas, no entanto, isso é feito pela própria companhia e em casos onde os agentes suspeitam de tal excesso.

Ao exceder as restrições, o passageiro vai precisar pagar o despacho da bagagem que pode passar de R$ 140 dependendo da companhia aérea e da mala. Na Gol, por exemplo, é cobrado R$ 25,00 para voos nacionais e R$ 40,00 para voos internacionais por quilo excedente. Na Latam, o custo por excesso da bagagem de mão é de R$140 se ultrapassar o peso ou as dimensões permitidas em voos domésticos.

Consumidor deve ficar atento ao tamanho e peso das malas

Para evitar a surpresa e pagar pelo excesso, o consumidor deve ficar atento ao peso e dimensões da mala, ou até mesmo solicitar o despacho no compartimento de cargas do avião no ato de compra da passagem, que custa bem menos do que as multas por excessos.

Na maioria das companhias aéreas, as dimensões da mala não podem ultrapassar as medidas de 35 x 25 x 55 cm (comprimento x largura x altura). Há ainda, companhias que cobram o excesso de bagagem quando juntas as dimensões superam um valor fixo como 160cm, por exemplo.

Em relação ao peso, o permitido é de até 10kg para a bagagem de mão. Ultrapassando isso, a bagagem precisa ser despachada no compartimento de cargas da aeronave, que pode custar entre R$ 30 e 60 reais na hora de comprar o bilhete pela internet. Por isso, é importante ter em mente suas necessidades antes de viajar, para economizar no despacho de bagagem e evitar surpresas.

Nota da ABEAR

“A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) informa que as empresas estão antecipando o controle das bagagens de mão com o objetivo de diminuir a quantidade de bagagens com medidas irregulares, ou seja, além das medidas permitidas, que chegam até o portão de embarque. Essa é uma operação absolutamente normal, com objetivo de agilizar o embarque. A iniciativa é importante porque houve um aumento no volume de bagagens de mão nas aeronaves desde a implementação da Resolução 400 da ANAC, a partir de março de 2017, quando teve início a criação das tarifas sem despacho de bagagem.

A ABEAR informa também que a campanha conta com um período de orientação aos passageiros, sem cobrar pelo despacho de bagagens de mão nitidamente fora do padrão, durante as duas primeiras semanas da ação em cada aeroporto. Só após este período é que o passageiro será orientado a voltar à área do check in.”