Após a primeira missão Falcon Heavy da SpaceX, a empresa está voltando à sua rotina com outro lançamento do Falcon 9 neste fim de semana. O foguete está programado para decolar da Califórnia no início da manhã de domingo, enviando um satélite de observação da Terra chamado “Paz” para a Espanha. O foguete também terá dois satélites adicionais que viajam a passeio: protótipos de sondas construídas pela SpaceX para testar a tecnologia necessária para ‘descer’ a internet do espaço.

O envio dessas duas placas de teste – chamadas Microsat-2a e Microsat-2b – é um grande primeiro passo nos planos de longo prazo da SpaceX para criar internet via satélite. A empresa quer criar uma constelação gigante de cerca de 12.000 satélites que irão orbitar em uma dança sincronizada acima da Terra, transmitindo conexão à Internet para receptores de antenas na superfície do planeta. Um conjunto de 4.425 satélites ficará a cerca de 1126 quilômetros, enquanto 7.518 satélites ficarão cerca de 322 quilômetros acima e operarão em uma radiofrequência diferente. Essa frota de satélites maciços estará constantemente em movimento ao redor do planeta e supostamente será capaz de fornecer cobertura em praticamente qualquer ponto na Terra em todos os momentos.

A SpaceX espera que o sistema, chamado Starlink, seja muito lucrativo. As projeções financeiras obtidas pelo The Wall Street Journal em 2017 mostram que a empresa espera ter mais de 40 milhões de assinantes no serviço até 2025, totalizando R$ 97 bilhões na receita desse ano.

Claro, há uma grande complexidade para o sistema que a SpaceX precisa descobrir primeiro. A empresa precisa ter a capacidade de coordenar simultaneamente milhares de satélites em órbita não geoestacionária em todos os momentos, o que significa que eles não ficarão em uma posição fixa acima do planeta. E então há a tecnologia necessária para receber a internet na Terra. Os satélites estarão movendo-se constantemente sobre diferentes lugares da Terra, de modo que as antenas de recepção precisarão descobrir rapidamente qual satélite é o melhor para se comunicar a todo momento.

Acima de tudo, a SpaceX precisa ter acesso a uma parte do espectro radioelétrico – o alcance das frequências de ondas aéreas que serão usadas para enviar a internet para baixo do espaço. A SpaceX apresentou inúmeros pedidos à Comissão Federal de Comunicações, que é responsável por determinar como as empresas de satélites comerciais utilizam essas ondas de rádio e, na quarta-feira, o presidente da FCC (Comissão Federal de Comunicação, na sigla em inglês) Ajit Pai fez uma declaração mostrando seu entusiasmo pelo projeto.

“Após a análise cuidadosa deste pedido pelos excelentes especialistas em engenharia de satélites da nossa Mesa Internacional, solicitei aos meus colegas que se juntem a mim para apoiar esta aplicação e se desloquem para libertar o poder das constelações de satélites para fornecer internet de alta velocidade para os americanos rurais. Se adotado, seria a primeira aprovação dada a uma empresa americana para fornecer serviços de banda larga usando uma nova geração de tecnologias de satélite de órbita terrestre baixa”.

Quando e se o pedido será aprovado não está claro, embora o apoio de Pai torne a aprovação muito mais provável.

Colocar satélites funcionais em órbita ajudará a participação da SpaceX no seu espectro. Então, a empresa espera lançar seus primeiros satélites operacionais em 2019 – o mesmo ano em que a concorrente OneWeb espera trazer seus primeiros satélites de internet. No entanto, a empresa mantém silêncio sobre o lançamento do Microsat-2a e 2b deste fim de semana. O objetivo principal da missão é o lançamento de Paz, e a SpaceX se concentrará nisso.

O satélite Paz vai para uma órbita baixa que atravessa os pólos, onde será usado pelas empresas comerciais espanholas e pelo governo da Espanha. O Falcon 9 que leva o satélite ao espaço será outro dos impulsionadores usados ​​da empresa, mas o veículo não tentará aterrissar após a decolagem. (A SpaceX não deu uma razão para isso).

O lançamento está programado para decolar da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, às 12h17 (horário de Brasília) no domingo. A SpaceX estava originalmente com o objetivo de lançar sábado, mas decidiu atrasar um dia para ter mais tempo para verificar os sistemas do foguete. Além disso, o horário deste voo pode significar que o foguete fará um show no céu. Vai acontecer em torno do nascer do sol na Califórnia, então a iluminação naquele momento poderá iluminar o gás em torno do foguete enquanto ele ascende. A cobertura da SpaceX em sua página no Facebook deve começar cerca de 15 minutos antes da decolagem, então não deixe de acompanhar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui